Blog

Os 7 erros fatais em conteúdo de sinalização digital.

Os 7 erros fatais em conteúdo de sinalização digital.

Ao integrar soluções de sinalização digital para o seu negócio, você deve considerar mais do que apenas a tecnologia que será utilizada, quantidade de telas e os locais de instalação.
O sucesso ou o fracasso de sua solução é totalmente dependente do conteúdo. Afinal, é tudo o que aparece para a audiência e eles só se preocupam com o que veem e como se relacionam com isso. Cuidado com os sete erros fatais de conteúdo em sinalização digital:

  1. Conteúdo estático

Utilizar imagens estáticas individuais ou slideshows em soluções digitais é um grande desperdício de recurso. Seu conteúdo deve estar se movendo em todos os momentos. Movimento chama a atenção das pessoas!
Existe uma regra simples e funcional, quanto mais rápida for a passagem do público pelo ponto de exibição, mais movimento o conteúdo deve ter, ao contrário, em locais com tempo de espera maior, são recomendadas animações mais “calmas” e lentas.
Uma pessoa  não consegue ler duas coisas simultaneamente, portanto, cuidado com as divisões de tela e poluição visual. Diferentemente da televisão, a sinalização digital não tem áudio, portanto estimula apenas o sentido da visão.
Da mesma forma, principalmente em animações mais curtas, não há tempo para o público voltar a ler ou rever conteúdos exibidos, portanto pense em uma sequência linear de produção, ou seja, uma informação deve entrar, ficar somente o tempo necessário para visualização ou leitura e após isso sair, dando lugar a uma nova informação, evite o acúmulo de informações em uma mesma tela, isso polui o visual e dispersa a atenção e a sequencia pretendida para a mensagem.
Quebre o seu conteúdo em pedaços mais curtos, tente transmitir emoção, curiosidade, diversão, isso prende a atenção.

  1. Conteúdo desatualizado

Com materiais impressos estáticos, como banners, tabelas e cartazes, sua mensagem está constantemente correndo o risco de estar desatualizada ou se tornar irrelevante.
Se você tem um monitor de sinalização digital, é fundamental que tudo seja novo, atrativo e relevante para o consumidor, para que as pessoas não se cansem ou percam interesse na mensagem.
Com as soluções digitais você tem o poder de alterar todas as informações, como os itens de um menu board, uma promoção, as datas de eventos, e ter tudo sempre atualizado nas telas imediatamente. Pense em dinamismo, promovendo itens com maior margem, mais estoque, configure seu sistema para exibir conteúdos diferentes conforme as faixas de horário.
Abuse da utilização de conteúdos dinâmicos, atualizados via RSS Feed,  incorporando notícias em tempo real, integração com redes sociais e canais de conteúdos informativos e de entretenimento. O Brasil é um dos mercados com a maior oferta de bons conteúdos gratuitos, principalmente de notícias e opções de assinatura paga, com baixíssimo custo.

  1. Layout pobre

A cada dia, a estratégia de distribuição de vídeos como ferramenta de marketing, está mais difundida e o conteúdo tem melhorado muito em objetividade da comunicação e visual.
Muitas campanhas de TV estão sendo produzidas com animações, diversas somente com textos e locuções.  As vinhetas das emissoras de TV, de abertura e saída de programas, estão cada vez mais bonitas e bem elaboradas. O nível de “exigência visual” da audiência está altíssimo, o que é obviamente remetido para a avaliação de conteúdos em sinalização digital.
Invista em um bom profissional ou contrate uma boa agência, para garantir uma boa produção de seus conteúdos. Cada quadro de animação deve ser bem pensado e elaborado, mas este é apenas o começo. Quando você tem um conteúdo se movendo na tela em todos os momentos, o processo de design é muito difícil.

  1. Bordas largas e baixa resolução

Quando se trata de vídeo wall, a largura das bordas dos monitores utilizados é muito importante, se o orçamento não for suficiente para a aquisição de monitores específicos e adequados, é melhor utilizar outra solução.
Normalmente observamos vídeo walls bem montados, com monitores adequados e com péssimo conteúdo, proporções erradas que achatam ou esticam as imagens, resoluções baixas, utilização de players inadequados. Recentemente vi em uma loja de moda feminina um muito bem instalado vídeo wall 4×3, sendo alimentado por um único vídeo de 20 segundos sendo repetido por um DVD player, ou seja, uma baixa resolução de 480p dividido em 12 telas de 46 polegadas…
Conteúdos para vídeo wall devem ser produzidos especificamente para este uso, para que se consiga tirar o máximo proveito do sistema.

  1. Telas de propaganda

Ninguém gosta de assistir propagandas. Até hoje anunciantes e agencias ainda discutem o antigo problema do zapear na TV. Em aplicativos para smartphones e tablets, os usuários optam por versões pagas para se verem livres das propagandas. Na internet as mídias são barradas pelos bloqueadores de pop up, filtros de spam nos emails, as campanhas no youtube tem que ter a opção de serem puladas, dentre outras ações e ferramentas para fugir das interrupções.
Em Sinalização Digital não é diferente, uma boa programação deve ser muito bem dividida entre conteúdo e mídia. Frequentemente escuto de operadores de Midia DooH que seus anunciantes querem aparecer, sendo assim preferem mais mídia do que conteúdo em suas telas, então pergunto sempre: seus anunciantes querem aparecer ou querem ser vistos? Do que adianta aparecer muito se a audiência não está olhando para a tela? Qual o interesse de um público em “assistir” uma tela de propaganda?
Sugiro sempre que uma programação tenha no mínimo 40% de conteúdo jornalístico e de entretenimento, sempre em sincronia com o ambiente e com o horário do dia.
Algumas coisas viraram padrão em nosso mercado, mas devem ser questionadas, se todo mundo está com seu smartphone na mão e conectado com tudo, o que é realmente relevante e surpreendente?

  1. Atualização local

Se você tem telas em vários locais, sejam para exploração de mídia, TV Corporativa, Merchandising Digital ou Menu Board e ainda está trabalhando com DVDs ou Pen Drives, você esta perdendo tempo e oportunidades. Os softwares e equipamentos estão muito baratos, extremamente estáveis e confiáveis.
Assuma o controle on line de todo o material de comunicação, isso cria infinitas possibilidades comerciais e promocionais, além de reduzir erros, custos e permitir o dinamismo necessário para suas telas não ficarem desatualizadas e virarem paisagens.
Usando os dados de vendas e os comparando com a programação de conteúdo, você pode replicar casos de sucesso em tempo real.

  1. Nenhum convite à ação

Um conteúdo bem animado, bonito, atualizado, interativo, ainda é sem sentido se você não transmitir uma mensagem para o seu público. Não basta comunicar algo sobre seu produto ou serviço, você tem que lhes dizer o próximo passo a tomar. Essa informação pode ser de um contato a localização de uma loja, ou simplesmente um convite para experimentar ou saber mais. Você tem que deixar clara a ação esperada, como forma de transformar a comunicação em uma venda!
Tenha em mente que a maior parte de sua audiência tem um smartphone na mão, isso pode ser um problema ou uma oportunidade, convida-lo para visitar imediatamente seu site, baixar algo, ir para o seu Facebook, fazer um cadastro em troca de algum benefício, traz retorno rápido e mensurável.
Se você não tiver um convite à ação, não há como transformar o espectador em um cliente.

 

Enilson Mozart – Vendas e Marketing – Signax

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *